O que anda acontecendo no mundo tecnológico #3

Apple Watch pode dominar metade do mercado este ano.

É impressionante o sucesso que o Apple Watch está fazendo. Ao contrário do iPhone que na prática reinventou, e dominou por anos, o mercado de telefonia móvel, o relógio da Apple chegou tarde para um mercado MUITO, mas MUITO mais fragmentado e cheio de grandes participantes tradicionais que àquele. E ao que tudo indica, vai dominar este mercado, de uma venda estimada de pouco mais de 28 milhões de relógios inteligentes este ano, o IDC, uma respeitada firma de pesquisa de mercado, acredita que a Apple possuirá uma fatia de quase 50% ao final do ano. A conferir.

Operadoras querem acabar na marra com a neutralidade da rede.

Existe um princípio fundamental na internet, que é o da neutralidade da rede, ou seja, os dados que viajam através de sua infraestrutura, não podem e não devem sofrer discriminação em razão do que esteja sendo transportado. Não importa se é uma obra de Shakespeare, um meme infantil, ou transação bancária, TUDO, absolutamente TUDO, tem que ser tratado de forma isonômica. Uma declaração de um executivo da Vivo, que disse que quem faz uso de plataformas de streaming, como Youtube e Netflix têm que pagar mais, é para fazer abrir, e bem os olhos. Vale a lembrança de que a Vivo comprou a GVT, e agora irá implementar franquias de consumo de dados na empresa.

Android Auto, a versão do sistema para carros, foi lançado oficialmente no Brasil.

Carros conectados são cada vez mais uma realidade, e a Google Inc. anunciou que seu sistema operacional passou a estar disponível em 18 países, inclusive o Brasil. O Android Auto é muito mais que simplesmente uma central de mídia, ele permite que smartphones sejam conectados através de si aos carros que equipam, e permitem a interação de apps no aparelho, com o veículo e vice-versa. Seu principal rival é o Apple CarPlay.

IA do Facebook ‘mostrará’ fotos a quem não pode ver

Existe todo um conjunto de normas de usabilidade na criação de conteúdo para web, criado para ajudar aqueles que não podem ver. São normas que permitem que programas chamados ‘leitores de tela’, permitam a quem tem a visão parcial ou completamente comprometida, ‘ouvir’ o que está na tela. Um dos pontos mais complicados para fazer algo que obedeça corretamente estes termos de usabilidade, é a descrição das imagens. Pois bem, na última versão de seu app para iOS, o Facebook fez um ‘gancho’ com um programa de inteligência artificial, que tenta reconhecer, e narrar para o usuário que usa leitor de tela, o que aparece em fotos. Ponto para o Facebook!

Um dos domínios mais antigos da internet, foi leiloado!

Quick.com, um domínio criado em 31 de agosto de 1987 foi o 85º domínio de interna a ser registrado! O domínio foi parte de um grande leilão com vários outros nomes considerados ‘premium’, dia 19 de abril passado em San Francisco, e foi arrematado pelo valor astronômico de US$299.000,00!! Além dele, vários outros domínios considerados ‘premium’ foram também vendidos, Blaze.com foi arrematado por US$253.000,00, snowboard.com arrematado por US$86.250,00 e sex.co por US$63.250,00!!

Duas curiosidades, o primeiro domínio a ser registrado, em 1985, foi symbolics.com e o domínio mais caro já vendido, pelo menos que se tenha notícia, foi mi.com, comprado pela fabricante chinesa de celulares Xiamoi por astronômicos US$3,6 milhões

Criptografia: WhatsApp e seus smartphones

Na terça-feira, 05/04/16, o WhatsApp anunciou que tudo que for trocado entre dois usuários através do aplicativo, texto, imagens, vídeo ou som, passarão a contar com criptografia assimétrica ‘ponta a ponta’, ou seja, utilizando tecnológica de chave pública e particular, que impede até mesmo a empresa tomar conhecimento de seu conteúdo, à exemplo do que faz o Signal, o mensageiro móvel que até então era o mais seguro do mercado.

Já havia algum tempo que o Facebook, proprietário do aplicativo, planejava dar este passo, mas foram as últimas pressões feitas por governos, tentando fazer com que a empresa revelasse as comunicações de seus usuários, fez com que finalmente fosse posta em prática.

Aproveitando este fato, queríamos aproveitar para ensiná-los a tornar seus smartphones, Android e iOS, ainda mais seguros, criptografando os dados que eles contêm, através de dois breves guias.

O que você precisa saber, antes de começar:

Se você perder a senha, precisará fazer um ‘reset’ ao estado de fábrica.
No caso dos Androids mais antigos, 5.0 ou anteriores, você perderá um pouco de desempenho no aparelho.
Só proceda com o processo de criptografia, com o aparelho 100% carregado (se seu aparelho estiver com problema de bateira, deixe conectado no carregador).

iPhones

A Apple introduziu o processo de criptografia em 2014, na versão 8 do iOS, ou seja, o aparelho é criptografado por padrão e tudo que você precisa é adicionar uma senha.

Vá em ‘Ajustes’
Selecione ‘Touch ID e Senha’ (ou ‘Senha’ para aparelhos sem sensor de digitais)
Clique em ‘Ligar Senha’
Digite uma senha. Quanto mais longo, mais seguro, mas lembre-se que você precisa lembrar dela.

Androids

Nos aparelhos mais modernos, rodando a versão Android 6.0 Marshmallow, a criptografia também já vem ligada por padrão, nas versões mais antigas, você precisa primeiro criptografar o aparelho.

Se o seu Android é 5.X ou anterior, faça isto primeiro:

Vá em ‘Configurações’
Clique em ‘Segurança’
Clique em ‘Criptografar o Telefone’
Clique em ‘Confirmar’ (serão necessários alguns minutos para que o aparelho seja criptografado).

Para ativar a segurança (todas versões):

Vá em ‘Configurações’
Clique em ‘Segurança’
Clique em ‘Bloqueio de Tela’ e escolha uma das opções de bloqueio.

Vivemos no futuro: adolescente ganha US$250.000 em corrida de drones!

Quanto mais se olha para o mundo da tecnologia, mais pode-se acreditar que o futuro já chegou, e nós vivemos nele. Claro, dadas as realidades, e a variedade, vivemos, mas nem sempre o vivenciamos.

Um exemplo disto são as primeiras provas de corridas com drones, que chegaram em grande estilo com o Grand Prix Mundial de Drones (WorldDronePrix) em Dubai distribuindo um milhão de dólares em prêmios!

No total 150 competidores competiram, utilizando óculos de realidade virtual, que lhes dava visão de primeira pessoa de uma câmera fixada no drone, fazendo parecer que estavam mesmo sentados no aparelho (veja o vídeo abaixo, fica mais fácil entender), eles seguiam uma pista iluminada, tendo o cuidado de atravessar os arcos que marcavam o caminho.

O vencedor foi Luke Bannister, um inglês de 15 anos, que conseguiu bater o time local de Dubai, e levou para casa US$250.000,00.

Apesar de ter muita gente animada com o novo ‘esporte’, ainda há um gargalo sério a ser ultrapassado: como assistir uma corrida destas sem ficar tonto! Sério, ver uma corrida solta, como vimos aqui é tranquilo, mas pela velocidade com que os aparelhos mudam de direção, assistir várias corridas seguidas, em ‘primeira pessoa’ pode ser um desafio.

Pelo que pesquisei estão procurando um meio de usar uma câmera que sigam os drones, provavelmente presas aos trilho de marcação da pista, isso tornaria o movimento mais estável e agradável à audiência. Aguardemos.

Mas já que estamos falando em drones, sua proliferação em locais com espaço aéreo restrito, vem se tornando um problema, mas como você pode ver abaixo, não por muito tempo 😉

As melhores séries que têm tecnologia por tema (não são sci-fi)

The IT Crowd (2006-2013)

Este sitcom com toda acidez do típico humor inglês, mostra o departamento de TI de uma empresa inglesa e estampa em seus três participantes alguns dos principais estereótipos da área, como o geek amante de cultura pop e impaciente, o nerd que usa cada detalhe técnico existente em suas explicações, ambos com poucas habilidades sociais, e a gerente que não é da área e foi transferida por engano para chefiar o setor.

Por um acaso, encontrei o primeiro episódio, completo, no Vimeo, assista! A série não tem um grande arco, os episódios são independentes.

Silicon Valley (2014 – presente)

Com muito bom humor, a Silicon Valley (HBO) mostra como nascem e morrem as startups de tecnologia. Na série um grupo de desenvolvedores que mora na casa de um ‘encubador’ que havia conseguido algum dinheiro vendendo sua própria startup um tempo antes, e está em busca de um novo sucesso.

As personagens são bem caricatas e exageradas, mas a mecânica mostrada, os termos apresentados, as propostas feitas, e a forma como algumas coisas são criadas de forma fortuita estão relativamente próximas do que acontece. Vale pela curiosidade. A série conta uma grande história e ainda está no primeiro arco, então precisa ser assistida na ordem de lançamento.

Halt and Catch Fire (2014 – presente)

Se Silicon Valley mostra as startups dos dias de hoje, Halt and Catch Fire(HBO) nos leva para o começo dos anos 1980, e nos apresenta a evolução dos primeiros computadores pessoais na primeira temporada, e o nascimento das BBSs (redes online, ponta a ponta, que antecederam a internet), em sua segunda temporada.

O ponto alto da série são as personagens femininas, fortes, inteligentes e determinadas, o que termina por ser um tapa com luva de pelica na atual indústria de tecnologia que ainda luta pela igualdade de gênero. A série tem dois arcos, dá para ver a segunda temporada, sem ter visto a primeira, mas, vendo a primeira se entende melhor a dinâmica entre as personagens na segunda.

Person of Interest (2011-2016)

Um bilionário misterioso, um ex-soldado de forças especiais, uma policial competente, e uma ‘máquina’ dotada de inteligência artificial, que, garimpando a internet, consegue identificar comportamentos que indicam que alguém irá cometer, ou ser vítima de um crime. No Brasil é transmitida pelo Warner Channel (Cabo), e na tv aberta pelo SBT, com o nome ‘Pessoa de Interesse’.

Tudo que a ‘máquina’ faz é enviar ao seu construtor um número de Seguro Social (algo que nos EUA parece com nosso CPF), que pertence a uma pessoa que tanto pode estar no processo de cometer, como de ser vítima de alguma atividade criminal. Entre o início de cada processo uma investigação para saber se o indivíduo é um criminoso ou uma vítima em potencial, e o permeio com gangues, e policiais corruptos. A série conta com histórias autocontidas, uma por episódio, e tem seus arcos como pano de fundo. Em maio estreará no EUA sua última temporada.

Mr. Robot (2015-presente)

De longe, de muito longe, está e a melhor série para amantes da tecnologia. É uma série densa, com uma trama complexa, e um excelente elenco, Christian Slater entre eles. A série mostra a história de um ‘hacker justiceiro’, que, acostumado a trabalhar sozinho, se envolve com um grupo de hacktivistas, para atacar uma das maiores empresas do mundo a Evil Corp (Corporação Malvada – sério).

A série lembra um pouco os livros de William Gibson, e, agradará a quem gosta de boas tramas de suspense, e mais ainda quem tem conhecimento um pouco mais elevado de informática (é divertido ver alguém citando termos técnicos na TV). Foi um dos melhores lançamentos de 2015.

O que anda acontecendo no mundo tecnológico #2

Finalmente, os tênis que se amarram sozinhos!

Uma das coisas que mais deixou louca de amores a geração que era adolescente no tempo que De Volta Para o Futuro II foi lançado, não foi nem tanto o skate voador, mas sim, o tênis da Nike que tinha a incrível capacidade de auto-amarrar!

Bem ou mal, o skate voador chegou ao ‘mundo real’ ainda ano passado, no aniversário de 25 anos do filme, até a Lexus, marca de carros de luxo da Toyota, apresentou um. Bem, agora a Nike anunciou Nike Hyperadapt 1.0, o tênis auto-amarrável! Sim, graças às novas tecnologias de armazenagem de energia, e servo-motores mais eficientes, o tênis que se amarra foi anunciado.

Por enquanto ainda é um conceito, mas no final de ano deverá ser posto a venda, o preço será provavelmente será astronômico, até lá, fique com o vídeo!

Depois da Apple, o FBI vai atrás do Whats App

Lembram que eu falamos aqui que a Apple estava enfrentando o FBI, a fim de não inserir um backdoor no iOS, que no final das contas tornaria todo o sistema operacional inseguro? Bem, o FBI também foi atrás do Facebook, querendo o mesmo do WhatsApp.

Vale a lembrança que, recentemente, no Brasil, o vice presidente do Facebook foi preso por desobedecer um mandado para fornecer alguns diálogos, segundo ele, era impossível. Vamos acompanhar a história!

Ah, um desdobramento da questão da Apple, foi que ela informou que irá usar um tipo de encriptação no iCloud, que ela não poderá quebrar mesmo que queira. Pontos para a empresa.

GO: DeepMind, a inteligência artificial do Google, ganha de humano

Xadrez e Go representam a filosofia da guerra. Xadrez representa o ocidente e sua política de guerra de confronto frontal, com o objetivo de matar o oponente, ou dar ‘xeque-mate no Rei’. Go é um jogo infinitamente mais complexo, e o seu objetivo não é destruir o inimigo, mas sim, conquistar o máximo possível de território.

Ao contrário do Xadrez, em que as peças vão escasseando, em Go elas vão sendo adicionadas rodada a rodada, com a finalidade de cercar, e dominar o adversário. Pode parecer simples, mas a diversidade de jogadas é muito maior, e a estratégia muito mais complexa.

Pois bem, a DeepMind venceu Lee Se-dol, o melhor jogador do mundo, numa melhor de cinco partidas. Mas não se desespere, Se-dol conseguiu vencer uma das partidas, perdeu só de 4×1.

A China quer uma DARPA para chamar de sua

Talvez você nunca tenha ouvido falar da DARPA (Defense Advanced Research Projects Agency, Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa), ela foi criada no final da década de 1950 para financiar o desenvolvimento de tecnologias, tendo por finalidade o avanço da tecnológico em si, sem a busca pelo lucro (isto vinha em segundo plano). Entre várias coisas, a invenção da ARPANET que talvez mais tenha impactado o mundo, sim, ela é foi a gênese do que viria a ser a Internet que você está usando para ler este texto.

Agora o gigante asiático quer deixar de ser a grande unidade fabril do mundo, e pular da pura manufatura, e cópia, para invenção, criando sua própria versão da DARPA. A organização, ainda não nomeada, foi iniciativa do presidente chinês Xi Jinping, que também ocupa o cargo de Secretário Geral do Partido Comunista e Chefe da Comissão Militar Central, ou seja, ele MANDA no país.

Um dos motivos do sucesso da DARPA, foi trabalhar lado a lado com a iniciativa privada, financiando e colhendo os frutos de um trabalho altamente descentralizado, a China ainda é um regime muito fechado, e não se sabe como a ideia será implementada, mas saiba de algo, não existe povo mais obstinado neste mundo.

Dronies, já conhece?

De vez em quando a indústria da tecnologia aponta para algo como “the next big thing” (a próxima grande coisa), muitas vezes aquilo se transforma de fato em um hit, noutras, vira o que se costuma chamar de “vaporware” algo que se somo como se desmanchado no ar, e isto acontece porque muitas vezes um conceito que é atrativo para engenheiros e especialistas não ganha tração com o público.

A bola da vez são os ‘Dronies’, um conceito que junta duas das coisas mais badaladas dos últimos tempos, Selfies e Drones.

Os primeiros mockups, estudos de design, surgiram há pouco mais de um ano e mostravam aparelhos portáteis, um até de pulso, que poderiam ‘ser soltos’ para seguir e fotografar ou filmar seus proprietários.

Mal comparando, os drones hoje são os microcomputadores do começo dos anos 1980, quando eram caros, grandes, e eram utilizados por profissionais ou entusiastas, com o passar dos anos, aumentou o número de usuários, veio a economia de escala e o avanço cada vez mais rápido da tecnologia.

Pode ser que ao somar este uso (selfie) à tecnologia (drone), criando o ‘dronie’, poderemos ver a tecnologia chegando a uma escala de produção que tanto possa baixar o preço, quanto acelerar o desenvolvimento.

Os dois vídeos que ilustram esta matéria, são do Festival de Filmes com Drones da Cidade de Nova York, e ganharam respectivamente a categoria ‘Dronie’ e ‘Preferência do Público’.